terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Uma linda opinião

 A simpática Etelvina Ramos escreveu esta maravilhosa opinião, tão completa e tão bela:


«Rui, ler o teu livro QUANDO O SOL BRILHA é ter uma viagem ao mundo da dor profunda, para depois ter um terminus num apeadeiro cheio de esperança. Escreves duma maneira magistral. Utilizas as palavras dum modo mágico, porque nos arrebanha para dentro da história. Não consegui, como costumo fazer, ter lido de enfiada. Tive que interromper, pelo menos, quatro vezes para fazer uma espécie de luto. Senti tristeza imensa. Depois recomeçava. Mas, desde o início, apaixonada pelo Jardins e pelo seu gato Puças. O homem pela sua capacidade e modo de amar. Que depois da perda da sua amada entra num mundo, onde por vezes, vou com as minhas personagens. Talvez, todos os escritores. Um sítio onde não há amarras, maldade, dor ou escuridão; um sítio onde o amor continua a trilhar caminho, aumentando em intensidade em vez de estagnar, pois o encontro - o segundo! - está para breve. O Puças, por gostar de gatos e por saber que são mágicos. São os únicos que conseguem entrar nos sonhos dos humanos. Digo-o por experiência própria. Que melhor companheiro para a personagem Felismino se não um gato especial?! Se fosse um cão estaria errado. Só um bom escritor adivinha estas coisas. Em relação ao Edmundo, que deve tocar no coração de muitas mulheres leitoras, teve em mim o efeito de me levar até ti. Vi-te nele. Tive um flash, quando ele fala dos livros do Tarzan e do Sandokan, e vi o teu rosto menino, outro que não sei quem é, o Fernando Batista e também o Carlos Jorge, a entrarem na biblioteca. Eu trabalhava no Turismo, ao lado, e substituía sempre o Gustavo, nas suas baixas médicas, que foram inúmeras. Será que te lembras? Não interessa isto. Apenas, que estava ali o pequeno Edmundo. Revi-te várias vezes, durante a leitura. Como mulher casada, não posso "perdoar" o relacionamento da personagem com a Margarida, apesar de compreender que foi uma luz que ajudou no caminho duro da escuridão e lhe tornou mais doce a jornada. Porque não foi a mulher?! Mas o escritor é quem dita as regras. Não pude deixar de sofrer por ela, também. Ou seja, trilhei com aquelas personagens um percurso de dor. Ainda bem que tudo se compõe e que o final é bom e algo inesperado. Resumindo: gostei muito. Foi um dos, poucos livros, que me afectaram. Sendo uma narrativa escrita de modo tão magnífico, não posso deixar de te admirar e aguardar, ansiosamente, o próximo livro. Sendo, portanto, um livro que recomendo a leitura. Tudo que demonstra o bom que é, está expresso nestes pequenos excertos de QUANDO O SOL BRILHA, que ficaram marcados em mim: «Que a vida já não é uma longa estrada sem fim, mas antes um pequeno caminho num simples vale, entre contrafortes de grandes montanhas. Que tem de existir amor, uma qualquer forma de amor, um pretexto de alma que nos impulsione a partilhar.» «(...) que a luz da manhã é melhor do que qualquer sonho que a noite possa ter oferecido.» «(...) acordar, mesmo que ferido, é melhor do que morrer sem cicatrizes». Sublime! És um escritor que encontrou a sua alma. Rui, é um privilégio conhecer-te! Da tua leitora e fã, um abraço com carinho.»

Sem comentários:

Enviar um comentário