terça-feira, 21 de setembro de 2021

Opinião da leitora Christine no facebook

Christine Machado escreveu:

Acabei de ler "Aprender a Recordar" e adorei!!!
Ri, chorei, passei por todas as emoções… 

Mas quando cheguei à passagem do Refilão da Arega, que se deitou na estrada ao chegar a Enchecamas, chorei de rir, talvez por imaginar bem a cena (pois eu nasci em Enchecamas e vivi la até aos 8 anos) e tenho lindas recordações dessa aldeia. 

Parabéns, felicidades e muito sucesso!

Um enorme bem-haja, Christine, em meu nome e em nome do meu saudoso irmão TóZé. Sei que ele ficou feliz com a sua mensagem, lá, algures no Universo. Obrigado, do coração!

Opinião da leitora Sara no goodreads

Sara escreveu:

Depois de ter lido "Dei o teu nome às estrelas" e adorado, este livro entrou para a minha wishlist.

Encontrei-o diversas vezes em promoção (na Presença online) e foi desta que o coloquei no carrinho para vir direto para as estantes. Assim que chegou passou à frente de todos os outros que estão por ler, pela expetativa altíssima que tinha desta leitura.

Apesar de ter ficado aquém daquilo que esperava, é um romance que aborda vários temas importantes usando como pano de fundo o interior do país na década de 70. O Edmundo, personagem principal, é uma personagem com a qual facilmente nos identificamos, no entanto, a narrativa e os temas foram explorados sem a profundidade adequada. É uma estória simples que cativa pela escrita bela, capaz de confortar quem perdeu alguém muito próximo.

Do autor recomendo o seu outro livro, que foi lançado posteriormente e que demonstra o quão a sua escrita e narrativa se desenvolveu. 

quinta-feira, 9 de setembro de 2021

Bonita opinião da leitora Margarida no facebook

Margarida Pires Teixeira escreveu:

Quebrei este silêncio em mim para, finalmente, soltar as palavras que acolhi nesta leitura solitária. Mais do que uma história marcante, por vezes dilacerante, ficam em mim as muitas viagens que inventei na minha memória, as emoções contraditórias, as reflexões e as frases. As mesmas frases com que nos tens deliciado em autênticos tributos à criatividade literária. 
Obrigada, Rui. 
Continua, por favor.

quarta-feira, 1 de setembro de 2021

Bonita opinião da leitora Christine no facebook

Christine Machado escreveu:

Leitura deste verão. Uma bela história que me levou a tempos antigos a serões repletos de risos, a uma pequena aldeia onde moravam pessoas simples mas com um coração enorme… tempos belos que não voltam mais. 

ADOREI!!! 

Obrigada por a dedicatória personalizada. Votos de muito sucesso.

segunda-feira, 23 de agosto de 2021

Linda opinião da leitora Adélia no facebook

 Adélia Freire escreveu:

Isto é uma amostra deste grande escritor! O livro, ainda é melhor! Vale a pena comprar e ler! Quanto mais se lê, mais apetece ler. Isto acontece com todos os livros que o autor escreveu. Às vezes gastamos dinheiro em coisas tão inúteis! Porque não investir nestes livros? Fazem bem à nossa inteligência emocional, à nossa aprendizagem e à nossa inteligência cognitiva. São um alimento para o espírito, para a alma e para o cérebro. Os livros são de fácil leitura, estão bem estruturados, são intensos, poderosos, surpreendentes, com um discurso coerente e são fascinantes.

Bonita opinião da leitora Sara no facebook

Sara Tavares escreveu:


Este foi dos livros que demorei mais a ler, foi saboreado, frase a frase.  Delicioso, com travo doce e amargo como é a vida e o café.  

Confesso que me caíram algumas lágrimas durante a sua leitura.  Aconselho vivamente para quem gosta de ler. 

Parabéns.

terça-feira, 17 de agosto de 2021

Uma bonita opinião do blogue de referência "O Tempo entre os meus Livros"


Temos cá bons escritores e não sabemos! Este livro foi uma grata surpresa e é prova disso! Foi-me enviado pelo autor e aguardava a sua vez na estante que é como quem diz, aguardava vontade minha. Não leio por obrigação. Quando assim é, nunca resulta e já sei que a leitura se vai arrastar. Por isso prefiro sentir este apetite e deixar que a vontade seja dona e senhora das minhas leituras. Por vezes nada leio da sinopse e nada espero. Assim, deixo-me surpreender e, neste caso, foi com muita satisfação que me  envolvi na escrita e na história narrada por este autor.  

É pela voz do narrador que, ainda em criança, nos conta como foi a sua infância no meio da serra, bastante longe da aldeia mais próxima, no Portugal de Salazar. Muito perspicaz mas também muito inocente, Rodrigo vive muito a solidão e o isolamento, mas faz-nos sorrir amiúde com as suas "descobertas" ou suposições que explicam o mundo segundo os seus olhos. Uma ironia fina, um toque de mestre numa escrita que faz o leitor sentir-se em casa mesmo quando as experiências vividas pelo pequeno narrador não correspondem às suas, nem são, tampouco, similares às recordações que possuímos. 

O retrato de Portugal dessa época está muito bem conseguido. A pouca literacidade, a pobreza extrema, a ignorância e as baixas expectativas de todo um povo estão espelhados nas palavras do autor. O "salto" para França ou a ida para uma grande cidade portuguesa na busca de uma vida melhor de tantos portugueses. O retrato de um Portugal que muitos desconhecem (e ainda bem!) que me deu muito prazer em visitar e relembrar. 

Depois, a tristeza de todo um povo quase que se pega ao leitor numa segunda parte em que essa criança é obrigada a crescer (mais depressa que o que é habitual hoje em dia) e sente-se essa melancolia nas palavras do autor.

Recomendo muitíssimo.

Terminado em 18 de Julho de 2021

Estrelas: 5* 

quinta-feira, 12 de agosto de 2021

Bonita opinião da leitora Sandra no facebook

 Sandra soares escreveu:

Já terminei a leitura mas ainda não escrevi a minha crítica. Só posso adiantar que, mais uma vez, foi uma leitura maravilhosa, com um tipo de escrita e vocabulário que nos transporta para os lugares e vivências das personagens. 

Recomendo vivamente e muito obrigada, Rui Conceição Silva. Que as madrugadas de Figueiró dos Vinhos lhe continuem a magnífica inspiração que transporta para os seus livros. 

quarta-feira, 11 de agosto de 2021

Bonita opinião da leitora Liliana no facebook

Liliana Bastos escreveu:


Porque ainda acredito no poder dos livros enquanto "bálsamos" para a nossa saúde mental, fica a sugestão...

Uma leitura que nos leva à beleza das coisas simples, genuínas e puras

terça-feira, 27 de julho de 2021

Bonita opinião da leitora Graça no facebook

Graça Alves escreveu:

Poesia em forma de prosa, que nos enche a alma de doçura, nostalgia e silêncio.

Parabéns Rui Conceição Silva!

Obrigada Visgarolho editora por dares a conhecer um livro tão bonito.

Encontram em www.visgarolho.com

segunda-feira, 19 de julho de 2021

Linda opinião da leitora Cristina no Instagram

Cristina Delgado escreveu:

Uma boa surpresa este livro! Fui completamente às cegas para esta leitura, como gosto cada vez mais de fazer. Gostei muito da escrita do Rui Conceição Silva, simples e, ao mesmo tempo, com uma pitada de poesia que não maça nada quem não é seu amante...

Muitas referências à ideologia subententida do Portugal salazarista que gostei muito de ler. Um país pobre feito de gente que se queria com pouca instrução. Uma primeira parte cheio de uma fina ironia que me fez sorrir amiúde.

Já numa segunda parte (a partir do momento em que o pequeno narrador deixa a escola), somos envolvidos por uma tristeza que se nos pega ao corpo, marcada pelas palavras do autor e que vem num crescendo até ao final.

Gostei muito!

domingo, 18 de julho de 2021

Bonita opinião do canal do YouTube "Abrir o Livro"

https://abrirolivro.com/quando-o-sol-brilha-rui-conceicao-silva/ 

«Quando o Sol Brilha é um romance de Rui Conceição Silva que nos conta a história de Edmundo, um jovem que passa pela provação da sua vida. É um livro sobre amor, sobre vida e sobre relações.

Edmundo, é um jovem que vive numa pequena aldeia do distrito de Bragança, uma aldeia pacata onde todos os habitantes se conhecem. Cuida do seu pai que vive refugiado num mundo imaginário. Felismino, o pai de Edmundo perdeu a sua mulher de uma forma inesperada e desde aí nunca mais conseguiu recuperar a alegra de viver. Desde então vive num mundo imaginário em que todos os dias fica sentado no alpendre à espera de ver os seus cavalos (imaginários). Edmundo, para além de cuidar do pai, tem a seu cargo uma família muito unida, que para além do seu pai e da sua esposa, é composta pelos seus três filhos.

Um dia, numa ida para o trabalho, Edmundo tem um acidente de viação onde acaba por partir as duas pernas. Nesse dia faz uma tempestade enorme e a sua filha mais velha acompanha a mãe na procura pelo seu paradeiro. Devido à chuva e ao frio que apanha para tentar socorrer Edmundo, a filha deste contrai pneumonia que acabará por ser fatal. Após esta tragédia a vida do nosso protagonista será muito afetada e irá mudar radicalmente. Irá refugiar-se no álcool e destruir toda a imagem e postura que tinha.

Após um período de decadência Edmundo irá ser internado numa clinica de reabilitação e criar amizade com algumas pessoas que irão fazer-lhe ver o sentido da vida e ajudá-lo a encontrar um sentido para retomar a sua rotina e o cuidado da sua família.

Foi a minha primeira experiência de leitura com este autor e fiquei rendida à história, gostei imenso das personagens e da essência desta aldeia presente na narrativa. O enredo é fluído e de fácil percepção para a maioria dos leitores. Senti, contudo, que o livro tinha três focos de atenção muito fortes e que levaram a leitura a uma oscilação de sentimentos. O primeiro referente à condição de Felismino e este mundo imaginário que ele vivia. O segundo referente ao gosto de leitura por parte de Edmundo. E um terceiro foco de atenção, muito mais explorado, referente à morte da filha de Edmundo e toda esta decadência e recuperação da personagem. Apesar disto, e admitindo que não conhecia o autor e a sua escrita gostei bastante da leitura e recomendo.

Considero que temos excelentes escritores em Portugal e que infelizmente não lhes é dada a visibilidade que mereciam para poderem mostrar o seu trabalho.

Boa leitura e boas reflexões!»

segunda-feira, 12 de julho de 2021

Linda opinião da leitora Patrícia no goodreads

Patrícia Cabrinha escreveu:

Um livro belíssimo, daqueles para se ler devagar e degustar as palavras, muitas vezes poéticas. Um livro especial e único, de uma editora também ela especial e única.

É um livro de afectos, intimista, que fica a ecoar dentro de nós. Um livro nos fala das relações familiares, da amizade, da dicotomia cidade/campo, da solidão, de nos reencontrarmos connosco próprios.

É também um retrato real do país naquela altura: o trabalho (duro) no campo de sol a sol, a solidão e o isolamento das aldeias, o analfabetismo, a pobreza extrema, a imigração para a grande cidade ou para outros países na procura dos sonhos (à custa do quê?) e a consequente desertificação do interior.

Os meus parabéns à editora Visgarolho pela coragem de assumir este projecto em tempos de pandemia e também pelo inegável amor aos (bons) livros.

Parabéns também ao Rui Conceição Silva, um autor que não conhecia, mas que vou agora seguir com atenção.

domingo, 11 de julho de 2021

Bonita opinião da leitora Graciela no facebook

Graciela Antunes escreveu:

Leitura concluída.  Foi uma bela companhia nos serões. 

Aconselho a leitura. 

Senti-me  recuar no tempo e fez-me relembrar a infância simples que tive na aldeia. A vida humilde, repleta de  sacrifícios e muito trabalho no campo das gentes daquela época.  Também  alguns que tiveram o mesmo fim do "Carlos" e outros que  foram "Rodrigos". Destes, alguns conseguiram  "a paz " depois de anos em África, Brasil e até no "termo" de Lisboa, outros nem por isso. 

Obrigada Rui Conceição Silva . Para quando o próximo? 

Agradecida.

segunda-feira, 5 de julho de 2021

Apresentação do livro "Deste Silêncio em Mim"

Como bem lembra o Diário de Aveiro, está quase aí a apresentação de "Deste silêncio em mim" no Avenida Café-Concerto. 

Apareçam para dois dedos de conversa!

quinta-feira, 1 de julho de 2021

Bonita opinião do canal do YouTube "M João Covas Livrosgosto"


Bonita opinião da poetisa Valetta no facebook

Poetisa Valetta Stein escreveu:

Adorei ler esta entrevista. Aqui aquele menino que conheço há anos e que me fez admirá-lo. Nas suas obras já tinha apreendido este seu "modo de levar a tarefa ao fim' o motivo, a sua dor... que ele toca, quando nos oferece os seus personagens, revestidos de saber e aceitação. Na sua última obra isso é tão patente. Não rejeitamos "aquelas pessoas" até as recebermos no nosso colo, como se fossem conhecidos ou de família. É este o segredo do Rui Conceição Silva, dar-nos o interior de quem vive. Ele não adoça a vida, ele dá-nos vidas (muito bem inventadas, permitam o termo), para vermos a Vida.

Admiro, para sempre, este jovem... tão adulto na dor. Como o compreendo...!

Merece o sucesso e o reconhecimento.

A ele (um amigo), muitos parabéns!

Entrevista ao Grupo "O que é PORTUGUÊS é BOM!", do Facebook

https://www.facebook.com/groups/443681989867935 

1)      O que é, para si, escrever?

É uma necessidade interior de criar e de me reinventar. Certamente idêntica às dos pintores, dos escultores, dos músicos, de todos os criadores de arte. Não é um hobby, pois causa alguma angústia e é um processo muito solitário. Mas creio que o destino de um escritor é ateimar até morrer. Ateimar nas palavras em busca de mais um livro. Será assim até ao fim.

2)      Quando percebeu que queria ser escritor?

Desde jovem que sonhava um dia escrever romances. Mas não era uma necessidade interior. Só se manifestou essa necessidade após o suicídio do meu irmão Tózé, em 2012. Quando o Sol Brilha resultou da urgência de falar da perda de alguém que amamos. Como uma espécie de absolvição ou de redenção. Eu amava muito o meu irmão, tínhamos quase a mesma idade e costumávamos dizer que éramos gémeos com catorze meses de diferença. Era o meu melhor amigo, o meu confidente. Hoje, todos os meus livros são para ele. Pois eu sei que ele está algures no silêncio. Sinto-o muitas vezes comigo. Os irmãos nunca deixam de existir.

3)      Escreve apenas pelo prazer da escrita (se depois for publicado tanto melhor) ou já com o objectivo de publicar o livro?

Escrevo, não tanto pelo prazer, mas por essa necessidade interior. E, quando escrevo, não penso na publicação. Vou construindo o rascunho ao sabor das palavras, sem saber se tem ou não valor. Só quando o termino, e deduzo que possa valer a pena ser publicado, me preocupo então em fazer uma revisão o mais séria possível, por respeito aos eventuais leitores. Nessa fase, sim, começo a pensar numa hipotética publicação. Mas, enquanto escrevo, sigo apenas essa necessidade interior de criar.

4)      Sempre que começa a escrever um novo livro, de onde surgem as ideias?

Por norma, surgem de um acontecimento simples. No “Quando o Sol Brilha”, lembro-me de ter ido ao Gerês com a minha mulher e os meus filhos e de, a certa altura, ao olhar para o horizonte, me ter convencido de que tinha avistado os garranos selvagens, que tanto queria ver. Mas foi apenas uma visão. Uma simples ilusão de óptica. Por sorte, dois dias depois, acabei por conseguir vê-los e ficar maravilhado. Mas fixei essa ideia, a de ter visto primeiro os cavalos na minha imaginação. E daí o velhote do meu livro, que via cavalos que mais ninguém via. No “Dei o Teu Nome às Estrelas”, tudo começou quando li um artigo, que falava dos quadros desaparecidos do pintor José Malhoa. E imaginei um quadro que ele tivesse pintado e que se tivesse perdido no tempo. Depois, como ele viveu cinquenta anos aqui em Figueiró, onde inclusive morreu, percebi que era sobre isso que queria falar. Dele e da sua amizade com Manuel Henrique Pinto, uma amizade quase lendária na minha terra, neste confim do mundo, de infinita beleza e triste. No “Deste Silêncio em Mim” tudo começou quando vi um vídeo de um grande amigo meu, tocando tambor para a montanha. Sozinho, tocando para os ancestrais, sabendo que eles o escutavam. Creio que isso é um bem inestimável, saber que Deus está em tudo o que existe e que a morte não é o fim. Que a alma é apenas energia condensada, que se liberta quando morremos, para se fundir com o Universo. E esse panteísmo fascina-me, o sermos partes de um todo universal, presente na natureza e em todas as formas de vida. Nesse dia, onde outros viram um vídeo, eu vi um possível livro.

5)      Descreva-nos, por favor, um pouco o seu processo de escrita.

Confesso que é um pouco lento. Infelizmente, nunca senti um “cataclismo da alma”, como o que atacou Gabriel Garcia Marquez antes de escrever o Cem Anos de Solidão. Não tenho esse dom. Sei que nunca o terei. Sou apenas uma pequena migalha na Literatura, que tem de trabalhar muito mentalmente, para construir textos que justifiquem a eventual publicação do que escreve. Daí que, até agora, só tenha publicado livros de três em três anos. Normalmente, escrevo à noite, quando o silêncio é mais abundante. Tenho a sorte de viver numa aldeia, que me proporciona essa tranquilidade. Mas o meu processo de escrita é realmente lento. O primeiro capítulo é sempre uma luta. Escrevo-o e reescrevo-o várias vezes. Por vezes, deixo-o mesmo para mais tarde, e dou por mim a escrever o segundo, terceiro, quarto capítulo. Mas eu creio que o mais importante é irmos escrevendo. E encararmos cada capítulo como parte de um todo.

6)      Faz planos antes de começar a escrever um livro?

Planos escritos ou esquematizados, não. Mentalmente, sim, um pouco. Mas já sei que, a certa altura do rascunho, as personagens vão para onde querem. E eu gosto disso, de o rascunho ir para onde tem de ir. A única coisa que respeito é a mensagem base. Acho que isso é fundamental. Mas gosto das ideias que vão surgindo. Do não estar fechado em ideias estanques.

7)      Quanto tempo leva a escrever um livro?

Cerca de sete-oito meses. Depois, mais três ou quatro a trabalhá-lo. Apesar de já ter 58 anos, não tenho pressa. Não sinto essa sofreguidão de ver livros publicados. Por exemplo, agora estou de volta de um rascunho, e passo dias a pensar mais nele do que a escrevê-lo. Apesar de já ter partes escritas, ainda estou a tentar integrar-me naquele espaço, naquele tempo. O “estar lá”, e viver como que uma vida paralela, faz-me andar nas ruas distraído. Acho que a minha família e as pessoas da minha terra já estão habituadas a ver-me assim, a pensar num rascunho e com a cabeça no ar.

8)      Quando a história se desvia do plano inicial, pode obrigar a rever e reescrever partes. É mais difícil reescrever ou escrever pela primeira vez?

É mais difícil escrever pela primeira vez. Criar será sempre mais difícil do que aprimorar. Talvez por isso, reescrever certas partes dá-me até algum prazer, como se fosse um pintor retocando um quadro. Mas esse reescrever é também uma oportunidade de reflectir sobre partes do texto, tendo sempre presente que, por vezes, é preciso apagar muito do que se escreve. Que isso faz parte do processo.

9)      Sente que as personagens lideram o processo de escrita? Ou é da total responsabilidade do autor?

Como já disse anteriormente, as personagens, a certa altura, parecem soltar-se. Pode parecer estranho para quem não lê, ou lê pouco. Mas, para os leitores que leem muito, esta é uma verdade que facilmente aceitam. Às vezes, até parece que certa personagem contradiz o que dela se escreveu anteriormente. Mas as personagens são como nós, que também mudamos consoante a vida. E, nestes meus cinquenta e oito anos, já vi muita gente forte que se perdeu, e muita gente frágil que se agigantou. Na verdade, só sendo postos à prova percebemos a nossa força ou as nossas fraquezas. Assim são, muitas vezes, as personagens dos livros.

10)   Vamos ter livro novo? Se sim, para breve?

Para qualquer escritor, há sempre um manuscrito que se está a escrever. Mas escrever não significa necessariamente publicar. Sobretudo no meu caso, que não sei o que é ter um best-seller. Não tenho essa garantia, esse horizonte. Ainda assim, só tentarei publicar um novo livro se estiver satisfeito com o rascunho. E sei que, mesmo após a sua conclusão, dependerei muito da mestria de quem o vai editar. Por exemplo, o ”Deste silêncio em Mim” foi decisivamente melhorado pelo Rui Miguel Almeida, editor da Visgarolho. Além de um incrível leitor e de um grande escritor, o Rui é um extraordinário editor/revisor. Sem ele, o livro não teria a mesma qualidade.

Mas não, não tenho prazo para um novo livro. Acontecerá quando tiver de acontecer.

11)   Quais são os autores que o inspiram?

Muitos. Mas posso indicar alguns. Como Gabriel Garcia Marquez. Cem Anos de Solidão e Amor nos Tempos de Cólera exercem um grande fascínio sobre mim. Grande parte dos seus livros, bem como Llano em Chamas e Pedro Páramo, de Juan Rulfo, percursor do realismo mágico, são dos que mais reli até hoje. Gosto também muito de Luis Sepúlveda e de Primo Levi. Se Isto é um Homem foi dos livros que mais me marcou até hoje, por todas as atrocidades que o ser humano pode fazer ao seu semelhante. Noutro registo, admiro sobremaneira o Tolkien, por todo o legendarium que criou, desde o Silmarillion até ao Senhor dos Anéis. Dos autores portugueses, os que mais admiro são Miguel Torga, Camilo Castelo Branco, Almeida Garrett, José Saramago, Maria Judite de Carvalho, Alves Redol e Eça de Queirós. E tenho um carinho especial por Júlio Dinis, pois foi o primeiro autor português que “conheci” na minha juventude, e a quem gosto sempre de voltar. Dos contemporâneos, admiro muito o Valter Hugo Mãe e o José Luís Peixoto. E estou agora a descobrir a Célia Correia Loureiro, que acho que vai ter um grande futuro. Mas ficam muitos por indicar, o que é sempre injusto. Ademais, também gosto de outras formas de literatura. Como a banda desenhada, por exemplo. Sou um grande fã do René Goscinny, co-autor do Astérix e do Lucky Luke. Adoro aquele tipo de humor.

12)   O que gosta de fazer quando não está a escrever?

Ler, passear, ver filmes e desporto na televisão, visitar os meus pais, ir à Biblioteca Municipal. E adoro estar com a minha mulher e com os meus filhos. Falamos e rimo-nos muito. Mas a maior maravilha da minha vida é brincar com os meus netos.

13)   O que é que os livros (os seus e os dos outros autores) lhe dão?

Dão-me novos mundos e a possibilidade de viver mil vidas. O prémio de me maravilhar com frases incríveis e de poder ler histórias fascinantes. A ventura de perceber novas maneiras de pensar e a possibilidade de descobrir outras formas de ver o mundo e a vida. No maravilhoso filme Shadowlands, sobre C.S. Lewis, há nele uma frase muito bonita: “Lemos para sabermos que não estamos sozinhos”. Um livro é sempre uma boa companhia.

14)   Enquanto leitor, qual o seu género favorito?

Gosto, sobretudo, de romances, de memórias e de biografias. Mas também gosto de poesia, sobretudo a de Eugénio de Andrade e a de Sophia de Mello Breyner. Creio que, sem me aperceber, todos os poemas que li desde os meus catorze-quinze anos, me ajudaram a ter uma espécie de prosa poética. Dos muitos géneros que existem, confesso que não sou grande fã de terror e de suspense.

15)   Escreveria um livro de um género fora da sua zona de conforto? Um livro de ficção cientifica, por exemplo?

A meu ver, e no que concerne especificamente à escrita, ficar na zona de conforto é algo natural. Todos passamos anos, por vezes décadas, a criar o nosso estilo e a nossa forma de estar e, abdicar disso, pode não ser benéfico. Hoje em dia, fala-se da zona de conforto como se fosse uma coisa má ou impeditiva, como uma espécie de fraqueza. Mas, se estamos bem e somos felizes assim, para quê mudar? Nem todas as mudanças são salutares. No meu caso, gosto do que escrevo. Continuar é o meu caminho. Mas compreendo que muitos autores precisem de novos desafios e de novos horizontes. Admiro-os por isso. Mas, admirar uma pessoa, não significa necessariamente que queiramos ser como ela.  

16)   Como é que os seus familiares, amigos e colegas de trabalho reagem a esta sua faceta de escritor?

Para os amigos, acho que sou o cromo que escreve livros. Mas já não estranham. Sabem que faz parte de mim, da mesma maneira que o meu jeito tímido e meio trapalhão. Para a minha família, eu sou apenas o Rui. Eles sabem que o facto de escrever livros não é o mais importante para mim. Que essa não é a melhor parte de mim. Na verdade, tento apenas ser boa pessoa e ultrapassar os limites em que nasci. Os meus avós eram lavradores e não sabiam ler. O meu pai foi um simples operário e a minha mãe funcionária dos Correios. Pela lógica, eu nunca seria escritor. Mas, tudo o que eles me ensinaram, com a sua sabedoria simples e repleta de amor triste, é que fez de mim o que sou. Hoje, apercebo-me de que toda aquela ternura e tristeza desaguam agora nos meus livros.

17)   Para finalizar, fale-nos um pouco dos seus livros publicados. Qual é o seu favorito? Qual foi mais difícil de escrever?

Acho que não tenho preferências. Todos ocupam um lugar especial no meu peito. Talvez o mais difícil de escrever tenha sido o Quando o Sol Brilha. Era o primeiro romance e ainda procurava a minha voz. Espero tê-la encontrado. 

·      Como nota final, quero agradecer-vos, Maria João Covas e Maria João Diogo, por esta entrevista e por ser o autor do mês no vosso grupo. É uma honra muito grande. Sou uma pessoa simples, e gestos como estes agigantam-se dentro de mim como lendas inesquecíveis. E agradecer tudo o que têm feito pela Literatura e pelos nossos autores. São pessoas como vós, que me fazem acreditar na bondade e na generosidade do ser humano. Que valerá sempre a pena investir num abraço, como este que vos deixo.


domingo, 20 de junho de 2021

Linda opinião da leitora Sandra, no Facebook

 Sandra Soares escreveu:

Há tantos anos com o "Dei o Teu Nome Às Estrelas" na estante e sem fazer a menor ideia de que era um livro fabuloso.
Adorei e recomendo. Acredite que me fez pensar nas "Viagens na Minha Terra", "No Amor de Perdição", "Nos Maias"... 
As suas descrições são fantásticas. O amor e a amizade, valores cada vez mais escassos na sociedade dos nossos dias, são soberbamente aprofundados neste livro. Foi impressionante como conseguiu agarrar-me com a sua forma de escrita, adequadíssima à época a que se reporta a historia. 
E lá fiquei eu com curiosidade de conhecer Figueiró dos Vinhos e de ler o seu outro livro.
Obrigada.

quarta-feira, 16 de junho de 2021

Uma bela opinião do blogue de referência "As Leituras da Fernanda"

 https://as-leituras-da-fernanda.blogspot.com/2021/06/opiniao-deste-silencio-em-mim-de-rui.html

Dos três livros que já li deste autor, "Deste Silêncio em Mim" é capaz de ser o mais intimista. Não sei se a história se baseia na vida de alguém próximo do autor, quiçá o próprio, mas tem de certeza muitos pedaços de verdade. É que ao ler esta história somos arrastados para um tempo e um lugar, que só com conhecimento de causa se poderia descrever assim, com tanta alma, com tanto amor.

E é isso que me leva a ler Rui Conceição Silva. Os seus livros têm a nostalgia dos tempos idos, a voz das crianças de que todos fomos, e a saudade de um tempo sem fim.

Simultaneamente, o autor consegue abordar temas tão característicos da vivência portuguesa da segunda metade do século passado, o analfabetismo de quem trabalha os campos, sem necessidade de dar cor às letras, a simplicidade da vida, a pobreza extrema da gente que vive da terra, a imigração para as grandes cidades e a consequente desertificação do interior.

Está lá tudo. A história de uma família de pastores, pobre e humilde, e de um dos seus filhos que decidiu seguir o conselho do avó e procurar outras paragens. É também a história do homem que venceu na cidade, mas soube regressar à sua montanha em busca do perdão e encontrou uma vida mais simples e mais feliz.

A escrita de Rui Conceição Silva é uma delícia. Cada frase quase um poema. As suas personagens são infinitas. Dificilmente as esquecerei. Este é um livro que recomendo para uma leitura calma, num ambiente bucólico, com os pássaros a cantar e a ouvir o vento nas árvores.

Parabéns, Rui. Mais uma excelente obra!

P.S. Não posso deixar de mencionar a editora Visgarolho, da qual esta é a sua primeira publicação, e dar os meus parabéns pela excelência do seu trabalho. 

terça-feira, 15 de junho de 2021

Uma bela opinião do blogue de referência "A Biblioteca da João"

http://abibliotecadajoao.blogspot.com/2021/06/opiniao-rui-conceicao-silva-deste.html

Quem procura um livro assente nas raizes portuguesas e rurais, este é o livro certo. Rui Conceição Silva faz aqui um retrato do Portugal profundo, recorrendo a uma escrita exímia. É um deleite de ler!

Rodrigo é um jovem habitante de uma aldeia perdida no nosso mapa. Vive com o seu avô, os pais e os irmãos numa casa bastante pobre, reflexo da vida simples que levam. O seu destino está, à partida, traçado: seguir os passos do seu pai e ser o próximo pastor da família. E assim será, quando faz 12 anos, o pai começa a transmitir-lhe os seus conhecimentos, de como e para onde conduzir o rebanho. Assim que Rodrigo toma a seu cargo esta tarefa, percebe o quão grande é o silêncio e o isolamento inerentes a esta profissão, mas que ele aceita por desconhecer as alternativas. Até ao dia... em que um estranho homem, com o seu tambor, toca para ninguém no meio das montanhas. Incutido pela curiosidade, Rodrigo aproxima-se deste estranho sucessivas vezes até chegar à fala com ele. Descobre então que o Sr. João vive na cidade mas é ali, no meio do nada, que comunica com quem já partiu, através do seu tambor. Será também o Sr. João a despertar em Rodrigo a necessidade de procurar outra vida. Face a certos acontecimentos trágicos, Rodrigo decide largar tudo e rumar ao desconhecido, para a cidade grande. Mas será ele mais feliz no meio do barulho, do movimento, das pessoas que não se conhecem ou na “sua” montanha, embora totalmente isolado, mas acompanhado dos seus silêncios?

Este é um livro para ler devagar, porque a escrita assim o exíge. Exige ser apreciada! Cada frase foi meticulosamente construída, para formar um todo quase poético. Achei-a de uma beleza impar e que dá gosto ler. Se a forma é fantástica, o conteúdo não o é menos. Acredito que este tenha sido o retrato de vida de uma ou duas gerações atrás, os avós de hoje que nasceram nas lindas aldeias do nosso país mas que sentiram o apelo das cidades, acabando por contribuir para a desertificação do interior.

É uma história de vida, real, sem contos de fadas nem finais felizes. É um exemplo de vida de quem teve de deixar famílias para trás em busca de um sonho, que sofreu a distância e a culpa da ausência, em busca de melhor. Uma história muito verdadeira!

segunda-feira, 14 de junho de 2021

Bonita opinião da leitora Célia, no Goodreads

Célia Gil escreveu:

Quando o Sol Brilha é um romance escrito por Rui Conceição Silva, um escritor português, nascido em 1963 em Figueiró dos Vinhos.
A ação decorre na Quinta dos jardins, em Granja dos Pardais, onde vive o narrador, Edmundo, a família, onde se inclui o pai de Edmundo, Felismino, também conhecido por Jardins, que deixou de reconhecer o próprio filho, a quem trata por vizinho e que passa os dias sentado numa cadeira à beira de uma janela, através da qual vê passar cavalos imaginários. Ficara assim desde que encontrou a mulher, Alice, morta na horta.
Numa linguagem metafórica e doce, onde perpassa a nostalgia de um passado perdido nas brumas da memória, o narrador relembra e conta-nos a sua vida. Os bons momentos da infância, da sua íntima relação com a natureza. Tornou-se uma pessoa triste, “refém da sua melancolia” quando, no fim da infância, aprendeu a “ler os rostos das pessoas”. Estudou apenas até aos dez anos, altura em que o pai o mandou pastar as ovelhas. Tinha um grande amor pelos livros e fazia-se acompanhar nos montes por livros que requisitava na biblioteca. A partir dos catorze anos, o pai arranjou-lhe emprego numa fábrica de fundição de vila velha. Casou com Evangelina e teve três filhos.
O narrador alterna histórias das pessoas da aldeia e a sua própria história pessoal, utilizando uma linguagem coloquial típica da região que retrata. É uma pessoa feliz.
Mas há um acontecimento na vida do protagonista que lhe vai roubar os sonhos e que o faz ver, pela primeira vez, os mesmos cavalos que o pai via e aos quais chamava de “os filhos do vento”. Este incidente despoleta incidentes tristes que vêm transtornar e transformar Edmundo, trazendo-lhe um sofrimento tão intenso que “todos os olhos morreram de lágrimas”.
Enternecedora e comovente. Nesta obra perpassa a dor, a angústia, a revolta que vem como um gélido silêncio, que não se evita, não se contorna, apenas para ser mais bonito.
Até que ponto este sofrimento pode arrastar o protagonista para o limbo ao ponto de deixarem de se reconhecer? Será que, após mergulhar neste sofrimento absoluto, é possível livrar-se da noite que lhe morava na alma? É possível que o sol volte a brilhar?
Esta é uma história que nos dói, porque, apesar de ficcional, a reconhecemos de histórias que presenciámos, pessoas que conhecemos, histórias que ouvimos contar e, por isso mesmo, com uma verosimilhança que a torna avassaladora.
Aconselho a leitura!

domingo, 13 de junho de 2021

Uma bonita opinião do blogue "Caderno Diário"

https://elsafilipecadernodiario.blogs.sapo.pt/quando-o-sol-brilha-46935

«Hoje terminei a leitura do livro de Rui Conceição Silva, "Quando o sol brilha". 

Conta a história de Felismino, o pai, e de Edmundo, o filho, e da família e das pessoas da aldeia. Fala-nos de um Portugal interior, um Portugal dos anos 60 e 70.

E conta-nos as desgraças sucessivas a que aquela família é sujeita, como lidam com elas e como depois de estarem quase a cair no abismo, se conseguem recuperar. O final não é um final feliz, porque faltam ali pessoas muito importantes. Edmundo e a mulher perderam um dos seus maiores bens e têm o coração destroçado, mas olham para o futuro que podem dar aos outros filhos, querendo sempre o melhor para eles.

É uma história comovente e ontem, quando lia uma das partes mais trágicas da história, dei por mim no parque do hipermercado, dentro do carro a chorar copiosamente. São assim os bons livros, trazem ao de cima as nossas emoções e ajudam-nos a lavar a alma.»

sábado, 12 de junho de 2021

Uma opinião menos positiva, do blogue "Por detrás das palavras"

https://pordetrasdaspalavras.blogs.sapo.pt/?skip=50

«Desde o momento em que aprendi a diferença entre o contar e o demonstrar que a leitura se tornou diferente para mim. Esta aprendizagem permitiu-me olhar para a histórias de outra forma e perceber melhor o porquê de alguns livros não funcionarem comigo. Quando o sol brilha fez-me perceber a importância do demonstrar para que uma história ganhe dimensionalidade para mim. É verdade que parti para a leitura com expetativas bastante elevadas. As pontuações e opiniões do Goodreads sugeriam uma boa leitura. Contudo, logo nas primeiras páginas senti que iria ter pela frente uma leitura exigente e que estava longe das promessas que antevi no Goodreads. Como deves perceber pelo meu primeiro parágrafo, este livro revela algumas fragilidades estruturais. O contar é aquilo que domina o livro e pouco espaço sobre para o demonstrar. As páginas em estilo relato sucedessem-se umas às outras. Pelo meio surgem diálogos, por vezes, artificiais; contruídos através de frases feitas que não representam as personagens deste livro. Não são frases de gente simples, de um Portugal demasiado rural e a sair de um período de ditadura que o desgastou. Há excesso de purple prose que torna a leitura frustrante e onde me arrastei na esperança de que as coisas melhorassem. Outro problema do livro é o seu foco, o seu objetivo. A minha sensação é que o escritor quis abraçar o mundo e acabou por se perder nele. As temáticas são flutuantes, os acontecimentos sucedem-se uns aos outros e os conflitos não são esgotados de forma a dar um propósito e uma orientação clara à história e às suas personagens. Temos um livro cujo início se centra quase em exclusivo na dinâmica de uma aldeia e das pessoas que lá vivem; depois aflora-se a história de Felismino e Alice, sem se aprofundar verdadeiramente as emoções e os acontecimentos; seguem-se as tragédias de Edmundo, um homem simples que gosta de ler, muito contadas e pouco demonstradas. Sendo uma narrativa cuja a ação decorre, maioritariamente, na década de 70, está demasiado despedia de contextualização Histórica. De referências que levem o leitor para aquele espaço, para aquele tempo e para aquele lugar. No final, elas aparecem de forma mais vívida, mas em grande parte do livro senti que poderia ser uma história passada numa qualquer aldeia do interior nacional na década de 90. Há uma enorme miscelânea de assuntos que o livro aborda: demência, luto, alcoolismo, saúde mental. Apenas faltou uma abordagem que esgotasse estes assuntos de uma forma mais realista e, no caso da saúde mental, mais respeitável e verdadeira. Na fase final do livro, há um conjunto de páginas cujo foco é a saúde mental. Confesso que a forma como o assunto foi tratado me revoltou. Achei as cenas pouco coesas e que ilustravam pouco o que era ser doente mental na década de 70. Além da saúde mental, há outro aspeto do comportamento de Edmundo que me pareceu demasiado normalizado. Não quero entrar em pormenores para não deixar spoilers, mas não achei o comportamento coerente com a situação nem com a personagem em questão. 
Desta leitura irei guardar a ruralidade presente em muitos dos momentos do livro. Viver num universo rural permitiu-me identificar com alguns aspetos e situações do livro. Há passagem que me remetem para as histórias que os meus avós, os meus pais e amigos da família partilhavam de como era viver numa aldeia mais interior nas décadas de 70 e 80.»

terça-feira, 23 de março de 2021

Uma bonita opinião, na Wook

Neuza escreveu:
 «Magnífico! Um dos melhores livros que já li: um misto de nostalgia, ternura,  tragédia e superação. Um ótimo retrato de uma família, de um povo, dos labirintos  da mente que tanta vez é posta à prova. Uma prosa ao mesmo tempo tão poética,  que nos faz refletir, sonhar e renascer a esperança! Para ler mais do que uma vez,  sem dúvida!»

domingo, 21 de março de 2021

Sugestão de leitura das Bibliotecas Escolares AE Albufeira

https://biblioaealbufeira.blogspot.com/p/viajar-nos-livros.html

«1883, Figueiró, uma terra perdida na imensidão das serras.
Joaquim, professor e narrador desta história, deixa um testemunho vivo das gentes da terra, num hino a Figueiró, a José Malhoa, a Manuel Henrique Pinto, aos caminhantes. É com eles que Joaquim descobre o lado bonito da sua terra, neste romance repleto de paisagens rurais.
O verdadeiro e eterno amor por Olinda nasce antes de a conhecer, apenas por ouvir a sua voz.

Este livro tem rasgos camilianos de Amor de Perdição e Queirosianos, pelo realismo, pelas tertúlias dos caminhantes, pela magnificência das descrições... Desperta- nos para o valor do que não é imediato e convida-nos a parar e escutar, salientando a importância do que nos falta viver... antes que seja tarde demais.»